Edifício Solar XXI é «ex-líbris da eficiência energética»

1 comentários

Antecipando os efeitos do diploma Sistema de Certificação Energética aplicados a todos os edifícios, já a partir de 2009, o Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI) fez hoje a visita guiada ao Edifício Solar XXI, que se situa nas instalações deste instituto.

Este edifício «concretiza os esforços do departamento de energias renováveis do INETI de projectar e construir de raiz um edifício que possa constituir um ex-líbris da eficiência energética em edifícios e da utilização das energias renováveis», vincou hoje Hélder Gonçalves, coordenador deste projecto de investigação, do INETI.

Encarado enquanto caso de estudo, o Edifício Solar XXI, que passa a ser a casa do departamento de energias renováveis do INETI, combina uma estratégia de optimização da envolvente com a utilização de sistemas solares, activos e passivos, onde se destaca a integração de sistemas fotovoltaicos nas fachadas com aproveitamento térmico e um sistema de arrefecimento passivo pelo solo.

Estas são soluções que «permitem assegurar as condições de conforto térmico do edifício, reduzindo ou anulando quaisquer consumos energéticos para esse efeito», referiu Hélder Gonçalves. Aliás, o investigador do INETI afiança que o futuro dos edifícios a nível mundial caminha para a aplicação do conceito Zero Energy Building, ou seja, «edifícios auto-sustentáveis, que produzem a mesma energia que consomem».

EDP Renováveis inaugura parque eólico em França com 35 MW

1 comentários


Empresa prevê construir novos parques neste mercado durante 2008 e 2009


A EDP Renováveis inaugurou este fim-de-semana em França, na Normandia, o parque eólico do Pays e Bray com 35 megawatts (MW) em operação.

Esta dimensão, segundo a empresa, «contrasta com a média habitual» que ronda os 12 MW em França.


«A energia produzida anualmente neste parque, estimada em 84 GWh/ano, irá assegurar o consumo de energia eléctrica de cerca de 90 mil pessoas, evitando em simultâneo a emissão de 24.500 toneladas de CO2 para a atmosfera», revela em comunicado.


Segundo a companhia, conta actualmente com 22 MW brutos em operação no mercado francês, estando ainda em construção mais 135 MW ou em fase avançada de desenvolvimento, que se prevê que entrem em construção durante 2008 ou 2009.



Fonte: Agência Financeira

Empresas posicionam-se para agarrar energia das ondas

0 comentários


Considerada uma fonte de energia limpa e inesgotável, as ondas podem ser uma das energias do futuro em território português. No entanto, apesar de ao largo da costa ocidental do continente português existirem cerca de 250 a 350 km de extensão que podem ser aproveitados para fins de extracção de energia das ondas, e de Portugal ter sido um dos países pioneiros na investigação e desenvolvimento dos dispositivos de conversão de energia das ondas, visto que desde 1977 um grupo do Instituto Superior Técnico se dedica a este tópico, os projectos têm tido alguma dificuldade em sair do papel.

Enersis, Tecdragon, EDP e Eneólica são algumas das empresas que estão a avançar com investimentos experimentais para aproveitamento da energia das ondas. A Martifer já criou uma joint-venture com a empresa escocesa Briggs, e a Generg está ainda numa fase de estudos e projectos.

A EDP, por exemplo, pretende concluir durante o primeiro semestre deste ano as negociações com dois tecnólogos para projectos de demonstração em Portugal. Este é o resultado da avaliação de mais de 50 tecnologias em aplicações offshore, segmento em que a EDP acredita existir maior potencial. O Breakwave, outro projecto da EDP perto da costa, é financiado em dois milhões de euros por fundos comunitários, e tem subjacente a aplicação da tecnologia de coluna de água oscilante em estruturas de protecção costeira. A localização do protótipo está em fase final de selecção.

Mais adiantada está a Tecdragon que quer instalar por agora, na zona-piloto de São Pedro de Moel, um primeiro módulo de 7 MW com a tecnologia da Wave Dragon. O objectivo é alargar a potência até aos 49 MW, a partir de 2009, num investimento que pode rondar os 150 milhões de euros. Até à data não foi possível instalar a tecnologia no mar pelas «condições meteorológicas adversas», adianta Borges da Cunha, administrador da Tecdragon.

Na mesma situação está o projecto da Enersis, previsto para o largo de Póvoa do Varzim, cuja potência a instalar nesta fase é de 2,5 MW, ou seja, três máquinas da tecnologia Pelamis, de 750 kW cada, num investimento de 9 milhões de euros. Até 2009 deverão entrar em funcionamento mais 2 máquinas, da mesma potência, que exigem um investimento adicional de 5 milhões de euros. No mesmo ano a Enersis e a sua parceira tecnológica escocesa, Ocean Power Delivery, preparam os testes no mar para alcançar os 20 MW, o que poderá equivaler à instalação de mais 28 máquinas de 750 kW cada, ou de 20, cada uma com 1 MW.

Estes são alguns dos projectos que poderão ajudar a aproveitar o potencial português. Num período de 20 a 30 anos, acredita António Sarmento, director do Centro de Energia das Ondas, poderão ser atingidos os 5000 MW na costa ocidental portuguesa, ao qual devem ser adicionados os potenciais da Madeira e dos Açores, que implicariam um investimento superior a 5000 milhões de euros.

Fonte: Ambiente Online

Generg instala central solar no valor de 51 milhões de euros

0 comentários

Cerca de 51 milhões de euros é quanto a Generg vai investir numa central solar, em Ferreira do Alentejo. Para esta unidade prevê-se a instalação de 63 360 módulos fotovoltaicos, abrangendo uma área de cerca de 60 hectares. O projecto é apresentado hoje, pelas 16h30, no Auditório da Feira Nacional da Água e do Regadio de Ferreira do Alentejo.

O início da construção desta central está previsto para este mês, prevendo-se que o projecto fique concluído no primeiro semestre de 2009.

A unidade contará com uma potência instalada de 12 MW e com uma produção estimada de 21,3 GWh, tratando-se do maior investimento (em energias renováveis) feito naquela região, com uma produção de energia eléctrica suficiente para suprir as necessidades do concelho, sublinha a Generg.

Fonte: Ambiente Online

Moura financia microgeração

0 comentários

A Câmara Municipal de Moura, a partir do fundo social disponibilizado pela instalação da central fotovoltaica da Amareleja, financia em 70 por cento, sem juros, a instalação de sistemas de microgeração de energia eléctrica, em edifícios particulares, de empresas ou instituições.

As vantagens deste novo regime de microprodução traduzem-se no facto dos micro produtores passarem a dispor de uma tarifa bonificada, de 0,65 euros por kWh produzido.

Para instalações fotovoltaicas a implantar na região, esta situação pode traduzir-se no retorno do investimento inicial num espaço de tempo reduzido, na ordem dos 5 anos, face ao tempo útil de duração dos equipamentos, acima de 25 anos, explica a autarquia em comunicado.
Recorde-se que a microgeração consiste num novo regime de produção de electricidade em que qualquer pessoa ou entidade, desde que seja consumidor de energia eléctrica, passa a ter o direito a ser também produtor.
Fonte: AmbienteOnline