Programa Renováveis na Hora gera polémica: Potenciais produtores de energia dizem-se enganados

2 comentários


Produzir energia eléctrica e vender à rede é agora objecto de incentivo, para ser microprodutor de energia é necessário efectuar um pré-registo no site renovaveisnahora.pt, fica em espera com um login e uma palavra-chave e em dia e hora a anunciar é aberto o processo de registo. Tudo muito de acordo com o Simplex, não fosse de simples não ter nada.

Só depois de efectuado o registo é que pode avançar com o licenciamento e com a obra de instalação de painéis fotovoltaicos. O problema está no dia e na hora dos registos, em que as dificuldades são muitas até se conseguir o mesmo.

No dia 9 de Dezembro abriu a 6º fase de registos no Regime Bonificado, neste dia confirmou-se também a desilusão de muitos particulares e empresas do Vale do Sousa, que poucos ou nenhum registo efectuaram. A dificuldade de registos, há muito detectada, foi mais uma vez verificada, pessoas que pela segunda ou terceira vez vêem adiado o projecto de microprodução, empresas que perdem novamente inúmeras oportunidades de negócio.

António Manuel, de 37 anos, natural de Paredes, fez em Dezembro a terceira tentativa de registo de uma unidade de produção energética para a sua residência, mais uma vez sem sucesso. A desmotivação começa a ocupar-lhe os sentimentos, afirma haver uma "sensação de fraude". Da primeira vez achou que era uma questão de sorte, ou falta dela, na segunda vez tinha várias pessoas a tentar o registo em computadores diferentes e nada, à terceira começa a pensar que é um sistema de registo sem eficácia.
Na opinião de António "o pré-registo devia servir para atribuir uma ordem de inscrição e essa ordem ser seguida nos registos, caso contrário é fácil considerar este processo pouco transparente".

Várias denúncias afirmam que esta dificuldade não passa de um esquema montado de favorecimento a grandes empresas, o VERDADEIRO OLHAR investigou e recolheu um testemunho.

Avelino, empresário no ramo da hotelaria de Penafiel, de 38 anos, na altura em que recolheu orçamentos para o seu projecto de microgeração afirma que a Martifer lhe garantia o registo se ele lhes adjudicasse a obra. Apesar das garantias entregou a obra a uma empresa da região e não conseguiu o registo. Sente-se desiludido e desmotivado com tudo isto, pensa mesmo em desistir da ideia. 

Vários são os sites na internet que denunciam fraude no sistema de registos, num fórum sobre electricidade lê-se acusações à EDP e à Martifer, onde há também informação sobre uma manifestação em frente ao Ministério da Economia, no passado dia 15 de Dezembro.

Na blogosfera as acusações de fraude multiplicam-se, os testemunhos a afirmar que há empresas que garantem os registos também, mas apesar das suspeitas nenhuma empresa da região quis dar a cara por este assunto, com receio de serem futuramente prejudicados nos próximos registos.

No entanto, a empresa SUNLIS, de Alcobaça, publica o seguinte comunicado no seu site: "Informamos os nossos estimados clientes que o sistema de registo de microgeração 'Renováveis na Hora' voltou a demonstrar-se um verdadeiro pesadelo. Esta situação revela-se uma verdadeira fraude para os clientes".
Assim como também já circula uma petição online com o nome de "Renováveis na Hora para todos" dirigida ao Ministro da Economia, para denunciar a pouca transparência do processo, tendo, com o objectivo de alterar o sistema de registo de microgeração de Energias Renováveis.
 

Nasce o primeiro transístor molecular

0 comentários


Eletrônica molecular

Cientistas conseguiram fabricar experimentalmente o primeiro transístor feito com uma única molécula, levando a miniaturização da eletrônica ao seu limite e começando a tornar realidade as promessas de uma eletrônica molecular.
Exatamente ontem, dia 23 de Dezembro, o transístor original completou

Outros cientistas já haviam feito propostas teóricas para a criação de um transístor de benzeno e, há cerca de dois meses, uma equipe demonstrou o funcionamento do primeiro diodo molecular, uma junção semicondutora essencial para a construção dos transistores.

Transístor molecular

Agora, os pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e do Instituto de Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul, apresentaram o primeiro transistor molecular que funciona na prática, ainda que em escala de laboratório.

Eles demonstraram que, conforme haviam sugerido cientistas da Universidade do Arizona, uma molécula de benzeno ligada a contatos de ouro comporta-se como um transistor de silício.

Os pesquisadores conseguiram manipular os diferentes estados de energia da molécula variando a tensão aplicada através dos eletrodos de ouro. Ao manipular os estados de energia, eles foram capazes de controlar a intensidade da corrente elétrica que passa através da molécula. Exatamente o mesmo comportamento de um transístor eletrônico de silício.

"É mais ou menos como rolar uma bola colina acima, onde a bola representa a corrente elétrica e a altura da colina representa os diferentes estados de energia da molécula," tenta explicar o Dr. Mark Reed. "Fomos capazes de ajustar a altura da colina, permitindo que a corrente passasse por ela quando ela era mais baixa, e interrompendo a corrente quando ela se elevava."

Ferramentas moleculares

A parte mais desafiadora da construção do transístor molecular foi justamente conectar os eletrodos metálicos à molécula, uma técnica que o Dr. Reed e sua equipe vêm aprimorando há quase 20 anos.

O feito somente foi alcançado graças ao desenvolvimento de novas técnicas e equipamentos que permitem a medição das correntes super tênues e a "visualização" do que está ocorrendo em nível molecular.

O desafio pode ser visualizado na imagem, que contrasta as dimensões dos contatos elétricos, construídos com a tecnologia atual de litografia, e a molécula individual que funciona como transístor.

Uma década de trabalho

Há um grande interesse em utilizar moléculas em circuitos de computador porque os transistores tradicionais, feitos de silício, não são viáveis em escalas tão pequenas.

Contudo, embora represente um marco importante para a criação da eletrônica molecular, este transístor é ainda um dispositivo em escala de laboratório. Mesmo sua reprodução por outros grupos de pesquisadores será difícil. A fabricação em escala industrial terá que esperar ainda muitos anos de novos aprimoramentos e de novos equipamentos.

"Ainda não estamos prestes a criar a próxima geração de circuitos integrados," afirma Reed. "Mas, depois de muitos anos de trabalho nos preparando para isto, terminamos um trabalho de uma década de duração, conseguindo demonstrar que as moléculas de fato podem funcionar como transistores."


Dívida das eléctricas europeias ascende a 213 mil milhões

0 comentários


A queda no consumo de electricidade e gás e a descida dos preços fizeram com que a dívida das eléctricas tenha crescido 113%. A EDP, que registou um aumento de 50%, está já a refinanciar a sua dívida.

As principais eléctricas europeias estão a enfrentar a crise com cortes de investimento e venda de activos, depois de a sua dívida ter registado um aumento de 113% de 2006 a 2008. O total das 10 maiores companhias deste sector ascende a 213 mil milhões de euros, segundo a décima primeira edição do Observatório Europeu de Mercados de Energia da consultora Capgemini.

No caso português, a EDP, a dívida aumentou 50% no período analisado, atingindo no final de 2008 os 13,9 mil milhões. No entanto, a eléctrica nacional está já a abater a sua dívida (ver caixa), que no final do terceiro trimestre deste ano chegou aos 14,4 mil milhões de euros, segundo dados da empresa liderada por António Mexia.

Mesmo assim, a EDP não é a eléctrica com a maior dívida, já que a alemã E.on finalizou o ano passado com 45 mil milhões e a Iberdrola com 29 mil milhões. O estudo da consultora conclui que a crise económica internacional está a colocar o sector da energia "sob pressão" e obrigou as empresas tomar medidas extraordinárias, perante quebras no consumo global de electricidade e de gás, de 3,5% e 3%, respectivamente.

A Capgemini acredita que a actual queda nos preços e o cenário resultante dos grandes investimentos em aquisições no sector criaram "uma percepção de risco financeiro e uma descida nos ratings", diz a consultora.

As soluções para que estas empresas diminuam a sua dívida passam por, a curto prazo, melhorar a eficiência operacional. Já a médio e longo prazo, a Capgemini recorda a necessidade de as eléctricas adaptarem a regulamentação europeia, os planos para reduzir emissões de CO2 e operacionalizarem as redes inteligentes.

Com a queda nos preços e no consumo devido à crise económica, muitas empresas do sector da energia atrasaram e até cancelaram investimentos, que tiveram impacto no crescimento das energias renováveis nos últimos anos.

Segundo o estudo, os investimentos das eléctricas europeias nesta matéria subiram 2% em 2008, uma diminuição significativa, considerando que a taxa anual de crescimento nos últimos cinco anos foi de 56%.

Só no segundo semestre de 2008, o investimento em renováveis decresceu 14%, para 21 mil milhões de euros. No documento, a Capgemini recorda que o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu aprovaram em Maio um plano de quatro mil milhões de euros para o desenvolvimento das infra-estruturas energéticas. No entanto, os efeitos destes investimentos não se- rão significativos antes do próximo ano.


Fonte: DN 

ISA lança nova solução de eficiência energética

0 comentários


A empresa portuguesa ISA vai lançar publicamente, amanhã, a solução iMeter, que permite monitorizar em tempo real o consumo de electricidade, gás e água de uma habitação, de forma a fomentar a eficiência energética.

Constituído por sensores de consumo, por um display que permite a visualização de informação em tempo real e por um concentrador que recolhe toda a informação possibilitando o acesso através da Internet, o iMeter é lançado publicamente pela ISA como forma de assinalar o final da Cimeira de Copenhaga. A solução tecnológica permite uma redução nas facturas das famílias de 15 a 20 por cento.

«O objectivo da ISA é reduzir a emissão de pelo menos 1,6 milhões de toneladas de CO2 até 2015, evitando danos ambientais muito sérios que construiriam uma injusta herança para os nossos filhos e netos», comenta José Basílio Simões, CEO da ISA.

Através dos consumos globais de de electricidade, gás e água, é possível a cada morador traçar o seu perfil de consumo, fazendo um “Electrocardiograma da Casa”. O iMeter vai ser também instalado nas escolas, ao abrigo do programa EnerEscolas, que pretende optimizar recursos energéticos e diminuir emissões de CO2 nos estabelecimentos de ensino.

A nova solução, já instalada em casa de mais de 100 famílias portuguesas, vai estar disponível para comercialização durante o primeiro trimestre de 2010. O iMeter engloba ainda um portal web, Enerbook, onde os consumidores poderão integrar uma comunidade de utilizadores e partilhar a sua experiência através de redes sociais
 

País vai poupar 15 mil milhões de euros com renováveis

0 comentários


A promoção das energias renováveis vai permitir poupanças que podem ultrapassar os 15 mil milhões de euros no espaço de cinco anos, contabilizados até 2015. De acordo com um estudo da Deloitte e da APREN, para este montante vão contribuir sobretudo a redução das importações de energia (13 mil milhões) e a diminuição da emissão de CO2 que também tem custos (2,2 mil milhões). Ainda que não seja dinheiro que fica disponível para outros fins, é um montante que «equivale a duas vezes o novo aeroporto de Lisboa».

Com o programa do Governo e os projectos previstos na área das renováveis, este negócio vai praticamente duplicar de 2008 até 2015. O sector das energias eficientes, sobretudo graças à hídrica e a eólica, vão passar de 1,3% (2 mil milhões) para 2,4% (4 mil milhões) do Produto Interno Bruto (PIB) português. «Estamos a atravessar uma crise, também a sentimos, mas não deixamos de ter uma evolução nesta área», afirmou o presidente da Associação Portuguesa de Energia Renováveis, na apresentação do estudo aos jornalistas, adiantou que o crescimento deste sector tem sido de 10% e assim se deve manter. Para os próximos anos, a taxa de crescimento esperada é de 8%, superior à perspectivada para o mundo e União Europeia (6%).

Podemos reduzir a nosso dependência energética de 85 para 75% daqui a 10 anos

Além do peso na economia nacional, as energias renováveis vão ainda ter efeitos positivos no emprego. «Entre hoje e 2015, vão ser criados 5.800 postos de trabalho directos e 55 mil indirectos, o que no total representa 6% do nível de desemprego actual», comentou António Sá da Costa.

No entanto, o responsável sublinhou que estes números são «conservadores» e ainda não incluem os projectos de grande hídrica que só devem começar a dar frutos a partir de 2016, bem como não foi tido em conta os 1.500 Mega Watts (MW) solares que o Governo recentemente anunciou. Além disso, Sá da Costa aponta que as conclusões foram alcançadas tendo como base o petróleo nos 65 dólares por barril.

O presidente da APREN diz ainda que Portugal pode reduzir a dependência energética de outros países dos actuais 85% para 75% em 2020, se todos os projectos planeados e resultados em curso se cumprirem - nomeadamente as oito barragens, parques eólicos, biomassa e geotermia -, passando de uma produção de renováveis de 40 para 70%.

Outra conclusão do estudo é que a produção esperada corresponderá a 50% do consumo nacional em 2015. Nesse ano, o sector das renováveis em Portugal produzirá mais de 30 TWh (TerraWatts/hora) de electricidade.

Governo aprova hoje rede de abastecimento de carros eléctricos

0 comentários


O Conselho de Ministros aprova hoje todo o quadro normativo em que vai assentar a criação da rede de abastecimento de carros eléctricos em Portugal - 1300 postos espalhados por 25 cidades, operados com base nos três grandes fornecedores de energia.

A rede irá estar a funcionar em 2011, ano em que se prevê a introdução em Portugal dos veículos automóveis movidos a energia eléctrica, e visa dar resposta às necessidades de um mercado de elevado potencial face à escalada dos preços dos combustíveis e à aposta em fontes renováveis.

O consórcio que irá gerir a infraestrutura é constituido pela EDP, Galp Energia e pela Iberdrola - os três grandes fornecedores de electricidade em Portugal -, pelos proprietários dos postos e pela SIBS, a sociedade que gere a rede multibanco.

O projecto português tem duas características que o diferenciam daquilo que está a ser feito no estrangeiro. Trata-se da criação de uma rede nacional e não do aparecimento postos de uma forma arbitrária. E funciona em plena integração, não obrigando os utilizadores a procurarem apenas o seu fornecedor de electricidade para abastecer o veículo.

O recurso ao pagamento da energia carregada através do multibanco permite que o utilizador abasteça em qualquer posto e que o pagamento seja feito ao operador energético a que está ligado. O custo do abastecimento surgirá depois na sua factura de electricidade.

O conjunto de diplomas que irá ser hoje apreciado em Conselho de Ministros - integrado no projecto MOBI-E (Mobilidade Eléctrica) - foi trabalhado no Ministério da Economia em negociação directa com os operadores e com as câmaras municipais das 25 cidades que vão integrar a rede nacional. O programa teve direito a um conjunto de benefícios fiscais definidos precisamente para apoiar o recurso à electricidade no sector automóvel. 

Fonte: Público

A máquina do Big Bang bateu recorde de energia

0 comentários


É mais um passo para a maior experiência científica de toda a história. O grande acelerador de partículas (LHC) do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) impeliu dois feixes de protões a uma energia de 1,18 teraelectrão-volt (TeV). Esta experiência do CERN tem como objectivo final a recriação do Big Bang, ou seja, os primeiros milésimos de segundo do Universo.

"O LHC tornou-se hoje o acelerador de partículas mais poderoso do mundo ao impelir os seus dois feixes de protões a uma energia de 1,18 teraelectrão-volt esta manhã", avançou em comunicado o CERN.

"É fantástico", disse do director-geral do CERN. Rolf Heuer afirmou que as experiências vão continuar "por etapas porque ainda há muito a fazer antes de" começarem "a fazer física em 2010".

O recorde era até agora detido pelo Fermilab de Chicago, nos EUA, que já tinha atingido a energia de 0,98 TeV em 2001.
O acelerador de partículas do CERN foi reactivado a 20 de Novembro, 14 meses após a paragem devido a um avaria grave que aconteceu apenas três dias depois de terem ocorrido as primeiras colisões.

Como começou o Universo

O CERN pretende, com esta experiência, simular a criação do Universo, tal como terá acontecido há 13,7 mil milhões de anos.
Para tal, o LHC irá provocar uma colisão de protões a uma velocidade próxima da luz para simular os primeiros milésimos de segundo do Universo.
A construção do acelerador de partículas demorou mais de 12 anos, com um custo de 3,76 mil milhões de euros. Milhares de físicos e profissionais de várias áreas participaram nesta que é considerada a maior experiência científica de sempre.

Portugal é membro do CERN desde 1986. Várias empresas nacionais contribuíram para a construção do acelerador de partículas e na Suíça. Em Meyrin, perto de Genebra, na Suíça, sede do laboratório, trabalham vários portugueses.
 
 Fonte: RTP

Agência de Energia Atómica censura o Irão por continuar a enriquecer urânio

0 comentários

O conselho de governadores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) decidiu hoje, por maioria, censurar o Irão por ele ter construído em segredo uma segunda central de enriquecimento de urânio.

Foi por 25 a três, com seis abstenções, que o conselho deu este sinal de alarme quanto ao facto de Teerão não conseguir dissipar os receios de que procura construir uma bomba atómica.

Com o raro apoio da Rússia e da China, a AIEA enviou uma mensagem da crescente vontade internacional de confrontar as ambições nucleares do Irão, que o país sempre insistiu ter um objectivo puramente pacífico.

Não se sabe, porém, se esta medida, patrocinada pelas seis potências envolvidas nas negociações, será seguida do apoio essencial russo e chinês a novas sanções que os ocidentais desejam ver aplicadas no início do próximo ano, caso Teerão não mude de rumo.

Cuba, a Malásia e a Venezuela votaram contra a resolução, enquanto o Afeganistão, o Brasil, o Egipto, o Paquistão, a África do Sul e a Turquia se abstiveram. O Azerbaijão esteve ausente da votação.

O representante iraniano na AIEA, Ali Asghar Soltanieh, considerou esta resolução “apressada e indevida”, acrescentando que ela não irá contribuir para melhorar a situação. A medida foi provocada pela revelação, em Setembro, de um segundo local de enriquecimento de urânio que o Irão tem vindo a construir pelo menos desde há dois anos, o que reforçou as suspeitas de que existem outros sítios que podem estar a ser usados para desenvolver bombas atómicas.

Fonte: Público

Impacto dos raios sobre a poluição e o efeito estufa está subestimado, diz NASA

0 comentários

A mais recente campanha de pesquisas feita por cientistas da NASA revela alguns detalhes interessantes sobre os raios. Mas também revela alguns dados de fato surpreendentes, mesmo para os cientistas.
A cada ano, mais de 1,2 bilião de raios atingem a superfície da Terra. Ruanda tem a maior ocorrência de raios por quilometro quadrado, enquanto os pólos têm a menor ocorrência.
Experimentos de campo e de laboratório revelaram que o núcleo de alguns raios atingem 30.000 Kelvin, uma temperatura quente o suficiente para fundir instantaneamente a areia e quebrar as moléculas de oxigénio e nitrogénio em átomos individuais.
Embora interessantes, estas são apenas algumas - mas não as mais importantes - dentre as mais recentes descobertas dos cientistas sobre os raios.

Poluição causada pelos raios

O mais impressionante vem agora: cada um dos biliões de raios produz compostos poluidores tão danoso ao homem e às plantas quanto as mais poluentes das actividades humanas.
As descargas eléctricas dos raios - atinjam elas o solo ou não - produzem óxidos de nitrogénio - os conhecidos NOx - que reagem com a luz do Sol e com outros gases na atmosfera para produzir ozónio.
Próximo à superfície terrestre, o ozônio pode ameaçar a saúde de plantas e dos animais - aí incluído o homem. Nas altitudes mais elevadas da atmosfera, ele é um potente gás causador do efeito estufa. Por outro lado, quando ainda mais alto, na estratosfera, ele bloqueia a radiação ultravioleta, que causa câncer no ser humano.
E, longe de apregoarem qualquer coisa do tipo "conclusão definitiva sobre os raios," os cientistas da NASA afirmam que sua pesquisa é apenas parcial, e que os impactos dos resultados sobre os modelos climáticos deverão ser muito maiores do que os agora anunciados. Ver notícia completa-->

Central de Ciclo Combinado da EDP em Lares é inaugurada hoje

0 comentários

A central de ciclo combinado da Energias de Portugal (EDP) em Lares, Figueira da Foz, um investimento de cerca de 400 milhões de euros, é inaugurada hoje, três meses após ter entrado em funcionamento.

Os dois grupos de 431 Megawatts (MW) cada entraram em produção em Agosto e Setembro, representando uma potência total de 862 MW e uma produção anual de electricidade calculada em 4.000 GigaWatts /hora (GWh).



A central de Lares, que utiliza como combustível principal o gás natural, é a primeira das quatro centrais de ciclo combinado licenciadas em 2006 a entrar em produção, referiu, na altura, a EDP.

Wireless Power - Electricidade por Wireless! O fim dos cabos de alimentação??

0 comentários

O vídeo que se segue diz respeito a uma apresentação pública de uma das tecnologias mais inovadoras deste ano. Esta tecnologia (Wireless Power), consiste basicamente em fornecer energia aos equipamentos eléctricos como televisores, telemóveis, aparelhagens, entre outros, sem a necessidade de recorrer a cabos de alimentação.




Esta tecnologia já foi já adoptada por algumas aplicações comerciais das quais se destacam TED Talks e Sony prototype.
Para mais informação sobre esta tecnologia, aconselho o seguinte  link: Wireless Power

Circuito híbrido marca chegada da eletrônica orgânica aos processadores

0 comentários


Uma equipa de químicos chineses e dinamarqueses desenvolveu contactos eléctricos fabricados por uma junção de nanofios feitos de materiais orgânicos e inorgânicos, demonstrando o funcionamento integral de um circuito electrónico híbrido que poderá ser uma alternativa aos processadores feitos à base de silício.
Os nanofios foram cruzados entre si, criando uma sequência ordenada de contatos que forma os circuitos eletrônicos básicos, incluindo inversores e portas lógicas AND, OR e NAND - nos computadores atuais, esses blocos lógicos são construídos com díodos e transístores de silício. Neste experimento, eles foram construídos com materiais orgânicos - polímeros à base de carbono.

Alternativa aos computadores de silício
"Nós conseguimos colocar vários transístores feitos de nanofios orgânicos juntos para formar um nanocircuito electrónico. Este é o primeiro passo rumo à viabilização futura dos circuitos electrónicos feitos de materiais orgânicos - um possível substituto para as actuais tecnologias baseadas em silício," resume o Dr. Thomas Bjornholm, da Universidade de Copenhague.
Os transístores funcionam basicamente como chaves liga-desliga - a conexão de várias dessas chaves permite a construção de todos os blocos lógicos com que são construídos os processadores de computador e todos os demais circuitos electrónicos - veja mais detalhes na reportagem Criado microprocessador que funciona com ar.
Já existem dispositivos electrónicos orgânicos no mercado, principalmente as telas feitas com LEDs orgânicos (OLEDs). Embora promissor, permitindo a construção de transístores do tamanho de moléculas, o enfoque da electrónica orgânica ainda não chegou integralmente aos processadores.
A viabilização dos blocos lógicos em materiais à base de carbono, agora demonstrada, dá mais uma prova do potencial da electrónica orgânica e do novo patamar de dimensões que ela permitirá alcançar. Enquanto isso, os transístores de silício estão cada vez mais próximos dos limites físicos de sua miniaturização. Ver notícia completa-->

Fonte: Inovação Tecnológica

Espanha autoriza mais 8 mil MW em renováveis até 2012

0 comentários


O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira uma proposta do Ministério da Indústria, Turismo e Comércio, que vai permitir a construção de 8.440 Mega Watts em energia renovável nos próximos três anos.
Estes MW serão postos em funcionamento de forma gradual. Cerca de 6 mil MW serão gerados a partir de energia eólica e os restantes 2.440 MW solares.
Esta tomada de posição vem reafirmar a aposta do Governo pelas energias renováveis e assegura a liderança de Espanha neste campo, de acordo com o vice-presidente do Governo, María Teresa Fernández de la Vega.

Etapas na construção de um Parque Eólico

0 comentários

Apagão: electricidade regressa após noite de caos

0 comentários


A central eléctrica de Itaipu já voltou a operar normalmente, voltando a fornecer energia às 18 unidades que servem o Brasil e o Paraguai. Os problemas na linha de transmissão provocaram um gigantesco apagão, que deixou 50 milhões de pessoas sem electricidade durante várias horas durante a noite e madrugada.

Ainda não são conhecidas as causas do problema, mas serão entregues relatórios ao Ministério de Minas e Energia para que se possa estabelecer exactamente a causa do corte de energia, informa as agências internacionais.
Foi uma noite de caos, com problemas no trânsito, assaltos e situações delicadas em hospitais. A cidade de São Paulo ficou literalmente às escuras durante várias horas, condicionando várias rotinas diárias e os transportes públicos.
Registaram-se várias discussões de trânsito, com troca de agressões, o que obrigou à intervenção da Polícia Militar. Os telefones de emergência ficaram sobrecarregados e a rede da Polícia Civil inoperacional. Autocarros lotados, metro parado, táxis super-concorridos e final de aulas antecipado, nomeadamente nas faculdades.Ver notícia completa-->

Fonte: IOL

Google está perto de descobrir energia limpa mais barata que carvão

0 comentários


A fundação da Google gastou 4,5 milhões de dólares, no ano passado, e espera que em cinco anos possa ter concretizado uma missão que, à partida, parece impossível: encontrar uma energia limpa mais barata do que o carvão.


O responsável pelo projecto, Bill Weih, garante que «há uma grande possibilidade de chegar a esse ponto de viragem em cinco anos». «Pode demorar um pouco mais, mas estamos determinados a trabalhar estas ideias inovadoras em toda a gama de energias renováveis», disse, citado pelo i.


O projecto baseia-se na pesquisa em energia solar térmica, eólica e reforço de sistemas geotérmicos. O PowerMetro, apresentado há alguns meses, é um software que permite controlar em tempo real o consumo de energia nas residências a partir de um computador portátil e, no futuro, de um telemóvel.

Fonte: Abola

Renováveis atingem 8878 megawats

0 comentários



No final de Agosto de 2009, Portugal tinha 8878 MW de capacidade instalada para produção de energia eléctrica a partir de fontes de energia renováveis (FER), revela fonte da Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), acrescentando que este número traduz um crescimento de 11% face a igual período do ano passado.


Portugal continua a ser o terceiro país da União Europeia com maior incorporação de renováveis no consumo bruto de energia eléctrica (43%), com a componente hídrica a representar em finais de 2008 cerca de 59% da potência instalada. O total de potência renovável licenciada está concentrado no Norte do País, essencialmente devido à localização das grandes hídricas e de um número significativo de parques eólicos.
No final de Agosto, a energia produzida a partir do vento tinha uma potência instalada de 3430 MW, distribuída por 191 parques, com um total de 1826 aerogeradores ao longo de todo o território continental.
De acordo com a DGEG, 38% da potência instalada situa-se em parques com potência igual ou inferior a 25 MW, prevendo-se que até ao final de 2009 estejam instalados 3800 MW de potência eólica no sistema eléctrico nacional.


Fonte: DN Economia

Portugueses pagaram 600 milhões a mais em electricidade este ano

0 comentários


A factura de electricidade dos consumidores portugueses até Setembro poderia ter sido mais barata. A redução do custo médio da energia este ano face ao que era previsto provocou nos primeiros nove meses do ano um excedente tarifário de 601 milhões de euros, segundo as contas da EDP.

Ou seja, em média cada um dos 5,3 milhões de consumidores com tarifa regulada podia ter pago menos 112 euros de electricidade até Setembro, caso se reflectisse nos preços a redução dos custos da energia.

Governo aposta na energia, PME e obras públicas

0 comentários

O Governo elege, no programa que apresentou esta segunda-feira na Assembleia da República, várias prioridades para relançar a economia. Entre elas está o apoio às pequenas e médias empresas (PME), a revolução energética e o investimento em obras públicas.

...

Liderar na revolução energética é uma das metas, por exemplo eliminando as importações de electricidade até 2020 ou multiplicando por 10 a actual meta da energia solar.
«O desafio do aquecimento global e das alterações climáticas é uma extraordinária oportunidade para Portugal», designadamente para «adoptar medidas para aumentar a autonomia energética», além de «diminuir fortemente o défice externo e o endividamento do país».

Para isso, é necessário aumentar a produção de energia a partir de fontes renováveis, melhorar a eficiência energética, expandir a fileira industrial ligada à energia e introduzir uma nova mobilidade eléctrica, apostando, por exemplo, em carros eléctricos.
No domínio das obras públicas, o Executivo mantém a abertura da ligação a Espanha em alta velocidade até 2013 e a construção do novo aeroporto em Alcochete.
Nesse investimento inclui-se assim a Rede Ferroviária de Alta Velocidade, com as Linhas Porto-Vigo e Lisboa-Madrid a concluir até 2013 e a linha Lisboa-Porto até 2015, bem como a terceira travessia do Tejo, entre Chelas e o Barreiro, cuja decisão de construção o Governo anunciou em Abril de 2008.

Fonte:IOL diário

Robô com andar engraçado pula até 8cm de altura

0 comentários

O cientista Tomotaka Takahashi, da Universidade de Kyoto, no Japão, criou um robô que pula.
Batizado de Ropid - uma combinação das palavras robô e rápido, em inglês - ele usa sensores para manter o equilíbrio e obedece a comandos de voz.
O Ropid mede 38 centímetros, pesa 1,6 quilos e consegue pular a uma altura de 8 centímetros. Suas coxas e tornozelos foram projetados para conservar energia.
Takahashi levou 2 anos e meio para construir o modelo. Ele afirma que prefere fazer robôs que possam divertir as pessoas com seus movimentos e capacidade de comunicação a máquinas que sejam apenas úteis ao ser humano.




Fonte: Inovação Tecnológica

Lucros da EDP Renováveis aumentam 19% até Setembro

0 comentários

A EDP Renováveis anunciou esta manhã que os resultados líquidos dos primeiros nove meses do ano aumentaram 19% para 70,1 milhões de euros, acima do previsto pelos analistas.

Analistas contactados pela Reuters estimavam que a empresa liderada por Ana Maria Fernandes obtivesse lucros de 67,1 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano.

O EBITDA subiu 20% para 368,5 milhões, igualando as expectativas dos analistas, que apontavam para 368,6 milhões de euros. As receitas subiram 18,8% para 440,9 milhões de euros.

A empresa chegou a Setembro com um portfolio de 5,6 GW de capacidade instalada sob gestão, distribuído por 6 países em todo o mundo. O aumento de capacidade justifica o crescimento da produção em 36% e também o aumento dos resultados.

A empresa justifica a subida dos lucros também com os menores custos financeiros. Estes desceram 5,4% para 60,6 milhões de euros e os impostos pagos desceram 41,9% para 21,3 milhões de euros.

Os investimentos até Setembro atingiram 1,5 mil milhões de euros (54% na Europa e 46% nos EUA), o que justifica o crescimento da dívida para 2,1 mil milhões de euros, um valor que representa 21% dos activos da companhia.


Criado sensor para visualizar o magnetismo da luz

0 comentários

Quando um sensor detecta a luz - seja nosso olho ou um sensor electrónico - o que está sendo detectado é o campo eléctrico da luz. Mas a luz é uma onda electromagnética, composta de campos magnéticos e eléctricos, um nunca ocorrendo sem o outro.
Até agora, contudo, não havia uma forma de captar esse campo magnético. Até que uma equipe de pesquisadores holandeses, coordenada pelo Dr. Matteo Burresi, inventasse uma. A descoberta foi publicada no último exemplar da revista Science.

Sensor fotoeléctrico

Nós vemos a luz quando a radiação electromagnética de determinado comprimento de onda atinge as células fotossensíveis de nossa retina. A tecnologia, por sua vez, permitiu que o homem construísse sensores de luz de diversos tipos, capazes de captar diversos comprimentos de onda, muito além das capacidades do olho humano.
O mais famoso desses sensores é o CCD, que equipa as actuais máquinas digitais e que foi premiado com o Prémio Nobel de Física de 2009.

Sensor de campo magnético

Os que os pesquisadores holandeses fizeram agora foi inventar um sensor capaz de captar o campo magnético da luz de diversas frequências.
Os pesquisadores construíram o sensor do campo magnético da luz a partir de um ressonador em formato de anel, construído com um metamaterial. O ressonador foi conectado a uma sonda de rastreamento, ligada a um sistema de registo e a um programa capaz de registar os dados colectados.
O novo dispositivo pode ser utilizado para criar visualizações da distribuição do campo eléctrico e do campo magnético de diferentes frequências da luz, tudo com uma resolução menor do que a do comprimento de onda da luz que está sendo observada.

Novos metamateriais

A descoberta deverá ajudar os pesquisadores a construírem novos metamateriais, estruturas artificiais que possuem propriedades ópticas não encontradas na natureza, como um índice de refracção negativo.
Foram os metamateriais que inauguraram as pesquisas de invisibilidade e que estão na base de vários mecanismos inéditos de manipulação da luz - veja, por exemplo, Metamaterial dirige a luz por caminhos complexos.

Energias renováveis podem gerar oito milhões de empregos

0 comentários


O sector das energias renováveis poderá empregar 6,9 milhões de pessoas em 2030 se os líderes mundiais aproveitarem a oportunidade para investir num futuro mais verde, assegurando um tratado sólido na Cimeira de Copenhaga, segundo um relatório da Greenpeace International e do Conselho Europeu para as Energias Renováveis (EREC).

Além disso, poderão ser criados mais 1,1 milhões de empregos devido a uma maior eficiência dos aparelhos eléctricos, refere o estudo intitulado "Working for the Climate: Renewable Energy & The Green Job [R]evolution".

A transição do carvão para as renováveis na geração de electricidade não só evitará 10 mil milhões de toneladas de emissões de CO2, como também criará mais 2,7 milhões de empregos até 2030 do que se continuar tudo na mesma, salienta o relatório.

Por outro lado, a indústria mundial do carvão – que emprega actualmente cerca de 4,7 milhões de pessoas em todo o mundo – deverá registar uma perda de mais de 1,4 milhões de postos de trabalho devido às medidas de racionalização nas minas de carvão existentes.

"Já há 450.000 pessoas a trabalhar no sector das energias renováveis na Europa, o que representa um volume de negócios superior a 45 mil milhões de euros. Este estudo demonstra que as energias renováveis são a chave para lidar com as crise do clima e da economia", referiu Christine Lins, secretária-geral do EREC, citada no comunicado da Greenpeace.

No relatório do EREC e da organização ecologista, é assim referido que, num cenário de revolução com vista a uma aposta nas renováveis, o número de empregos gerado até 2010 será de 2,38 milhões e em 2020 estará já nos 5,03 milhões, ascendendo aos 6,9 milhões em 2030.

PIP para energias solares de concentração excede meta potência

0 comentários


Cerca de 84 pedidos de informação prévia (PIP) para ligação à rede de instalações do sistema eléctrico nacional foram recepcionados pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), no período que decorreu entre 1 e 15 de Setembro. A maior parte destes pedidos, 50, são relativos à tecnologia solar fotovoltaico de concentração, 34 respeitam ao solar termoeléctrico de concentração, 7 são para motores stirling, e 27 para as restantes tecnologias.

O elevado número de pedidos obriga a que a DGEG «proceda a uma selecção das candidaturas para cumprir os limites de potência definidos no despacho, tendo para este efeito sido nomeada uma comissão de avaliação», refere a entidade.

Neste contexto, os projectos de carácter experimental e de melhor valia tecnológica na área do solar termoeléctrico de concentração e na área do solar fotovoltaico de concentração, com um objectivo de demonstração de conceito e uma forte componente de I&DT, serão os projectos seleccionados.

Com esta abertura de PIP pretendeu-se impulsionar o desenvolvimento da energia solar, que regista uma fase de grande evolução tecnológica a nível mundial e para a qual Portugal apresenta excelentes condições de aproveitamento.

Descoberta nova forma de electricidade

0 comentários

Cientistas britânicos conseguiram criar uma forma de energia equivalente à electricidade, através da manipulação de descargas magnéticas.

Na base da descoberta está o uso revolucionário que os investigadores liderados por Stephen Bramwell conseguiram aos monopólos existentes em pequenos cristais conhecidos como spin ice.

No estudo publicado na revista ‘Nature’, a equipa de Bramwell mostrou como estes monopólos se juntam para formar uma «corrente magnética» que interage de forma semelhante à electricidade.

O fenómeno, intitulado «magneticidade», pode vir a desempenhar um papel importante nas próximas décadas.

«Não vamos começar a ver lâmpadas magnéticas, nem nada do género», afirmou Bramwell à ‘BBC’, antes de explicar que a descoberta poderá antes ser usada na criação de aparelhos de «memória magnética», a aplicar em computadores e dispositivos de armazenamento de informação.

Fonte: A Bola

Factura da luz sobe um euro por mês em 2010

0 comentários

As tarifas de electricidade vão aumentar 2,9% no próximo ano em Portugal Continental, o que representa um agravamento médio de um euro por mês para as famílias portuguesas, de acordo com a proposta avançada hoje pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos.

A proposta do regulador de subida de 2,9%, que será ainda alvo de um parecer não vinculativo do Conselho Tarifário da ERSE, aplica-se aos consumidores domésticos, às pequenas e médias empresas à indústria e a grandes consumidores industriais.

Para a região Autónoma dos Açores (2,7%) e para a Região Autónoma da Madeira (2,8%), os aumentos são mais reduzidos.

A subida das tarifas em Portugal Continental no próximo ano iguala a ocorrida em 2008 e compara com o aumento de 4,9% registado no início deste ano.

São mais de 5 milhões os consumidores domésticos afectados por esta subida. Sendo que cada um tem em média uma factura mensal de 39 euros, o agravamento em resultado da subida das tarifas em 2,9% corresponde a 1,07 euros.

Menos consumo, mais renováveis e défice pressionam tarifas

No comunicado a apresentar a proposta de tarifas, a ERSE adianta quais os factores que motivam este incremento.

Um deles diz respeito à queda do consumo ocorrida este ano. Uma vez que há uma componente de custos fixos incorporados na fixação das tarifas, como o consumo é mais baixo, tal pressiona em alta as tarifas.

“Quando há aumento do consumo de energia eléctrica verifica-se a diminuição destes custos por unidade de energia eléctrica sendo que a redução do consumo de energia eléctrica provoca um efeito oposto”, explica o regulador. A previsão da ERSE aponta para uma queda de 3% no consumo este ano, uma diminuição explicada pela recessão da economia.

Também a pressionar em alta as tarifas para 2010 estão os incrementos dos custos da produção em regime especial, que por outras palavras, traduzem os apoios à produção eléctrica através de energias renováveis.

A ERSE estima que estes apoios – corresponde à diferença entre o custo de produzir através de renováveis e o mercado organizado – vão aumentar no próximo ano face a 2009, traduzindo o aumento da produção através de fontes renováveis e também o aumento da diferença do custo entre esta fonte e o mercado organizado. Ver notícia completa-->

Fonte: Jornal de Negócios

Célula solar de nanotubo de carbono aproxima-se da eficiência máxima

0 comentários

Pesquisadores da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, demonstraram o princípio de funcionamento de um novo tipo de célula solar que substitui o silício por nanotubos de carbono.

Em teoria, estas células solares de nanotubos poderão ser mais eficientes do que as células solares actuais, podendo superar não apenas as células solares orgânicas - que possuem carbono em sua composição em moléculas que não são nanotubos - mas também as células solares tradicionais à base de silício.


Fotodíodo


Os cientistas construíram um fotodíodo, um tipo extremamente simples de célula solar que converte a luz em electricidade de forma extremamente eficiente graças à excepcional condutividade eléctrica do nanotubo de carbono e à forma como ele conduz os electrões.

O nanotubo de carbono utilizado é do tipo de parede única, o que significa que ele é basicamente uma folha de grafeno enrolada, constituindo um tubo cujas paredes são formadas por uma única camada de átomos de carbono.

O nanotubo, com a dimensão aproximada de uma molécula de DNA, foi preso entre dois contactos eléctricos e posto próximo a duas portas eléctricas, uma com carga positiva e outra com carga negativa.


Eléctrons em fila indiana


Dirigindo feixes de raios laser de diversas cores ao longo do nanotubo, os cientistas descobriram que altos níveis de incidência de fotões têm um efeito multiplicador sobre a quantidade de electricidade que é produzida pelo fotodíodo.

Como o nanotubo é muito estreito, ele praticamente força os elétrons a andarem em fila indiana. Nessa situação, os electrões atingem um estado denominado "excitado", o que lhes permite gerar novos electrões a partir dos fotões da luz incidente que seriam desperdiçados em uma célula solar convencional. Isto faz com que a célula solar de nanotubo de carbono funcione em um regime praticamente ideal, convertendo quase toda a radiação da luz em electricidade.

A elevada taxa de conversão significa que a nova célula solar não perde quase nenhuma energia na forma de calor, eliminando o problema do super aquecimento. Contudo, o próprio experimento foi feito em uma temperatura extremamente baixa. Ver notícia completa-->

Fonte: Inovação Tecnológica

Megacentral solar no Saara fornecerá eletricidade para a Europa

1 comentários

Energia limpa

Um consórcio de 10 empresas multinacionais - que reúne gigantes como Siemens, RWE, E.On e Deutsche Bank, entre outros - assinou uma carta de intenções para criar o maior projecto de energia solar do planeta: a Iniciativa Industrial Desertec.

O projecto prevê a construção de uma rede de usinas de produção de energia totalmente limpa no Deserto do Saara, no norte da África, e de redes transmissão de energia, capazes de fornecer pelo menos 15% da electricidade consumida na Europa, além de dois terços da necessidade do norte da África e do Oriente Médio.

Energia termo-solar

O projecto Desertec foi orçado em US$ 555 bilhões e prevê a instalação de uma tecnologia solar de última geração, chamada energia termo-solar.

Em vez de produzir electricidade directamente, como as células solares fotovoltaicas, a energia termo-solar utiliza espelhos para concentrar a luz do Sol sobre encanamentos para produzir vapor em seu interior, que por sua vez movimenta turbinas que produzem electricidade.

O calor excedente produzido durante o dia pode ser armazenado em tanques especiais para manter a usina em funcionamento durante a noite ou em dias nublados.

A ideia de se aproveitar o sol do Saara vinha amadurecendo há décadas, mas só agora o avanço das tecnologias, tanto solar quanto de transmissão de electricidade, teria viabilizado o investimento.

Aproveitando o Sol e usando a sombra

A água necessária para criar o vapor que movimenta as turbinas sairia do Mar Mediterrâneo, que dessalinizada - com o sal derretido sendo usado nas baterias para estocar calor -, poderia ainda ser reaproveitada em regiões desérticas. Especialistas sugerem ainda que a sombra dos espelhos poderia ser usada para plantação de espécies que normalmente não sobreviveriam ao intenso calor do deserto.

Essa tecnologia, chamada Energia Solar Concentrada(CSP, na sigla em inglês) já é usada em usinas solares nos Estados Unidos e na Espanha. A ideia, que surgiu na Alemanha, vem sendo defendida com vigor pelo próprio governo alemão e pela Comissão Europeia, embora ainda existam dúvidas sobre como seriam equacionados os problemas políticos de um projecto verdadeiramente internacional como este. Ver notícia completa-->

Fonte: Inovação Tecnologica

Instalada primeira turbina eólica oceânica flutuante

0 comentários

Turbina eólica flutuante


Acaba de ser instalada, na costa da Noruega, a primeira turbina eólica oceânica de grande porte. Localizada a 12 km a leste da cidade de Karmoy, a turbina tem um rotor com um diâmetro de 82 metros e será capaz de gerar sozinha 2,3 MegaWatts de energia.

A turbina eólica flutuante, chamada de HyWind, será conectada à rede eléctrica do país e deverá servir como um laboratório de testes em escala real para a tecnologia de turbinas eólicas flutuantes. Ela começará a gerar electricidade em Julho próximo.

Sem necessidade de fundações


Construir fundações para turbinas eólicas torna-se muito caro quando a profundidade oceânica supera os 50 metros, o que poderia limitar a exploração oceânica da energia eólica. Já a HyWind pode flutuar, tendo sido projectada para ser instalada em locais com profundidades entre 120 e 700 metros. O local onde a primeira HyWind foi instalada tem 220 metros de profundidade.

O mastro da turbina estende-se por 65 metros acima da linha d'água. Seu flutuador é construído em aço, indo até 100 metros de profundidade. Três cabos de aço ancoram a turbina eólica flutuante ao fundo do mar, para que sua posição se mantenha constante.

Um sistema avançado de controle permite que a turbina anule parcialmente os movimentos induzidos pelas ondas, mantendo-se mais estável, o que aumenta sua capacidade de geração de energia. A HyWind é um projeto conjunto das empresas StatoilHydro e Siemens.

Fonte: Inovação tecnológica

0 comentários


Chips que não geram calor

Pesquisadores suíços criaram um transístor óptico que consegue fazer com luz o que os transístores da electrónica actual fazem utilizando a electricidade.

O transístor é o bloco básico de toda a electrónica e de todos os processadores. No interior de um processador ele normalmente funciona como uma chave - a tensão aplicada a um dos seus três eléctrodos controla a quantidade de corrente que flui pelos outros dois, podendo variar entre passagem total de corrente (estado ligado) até a interrupção total da corrente (estado desligado).

Um dos grandes inconvenientes é que essa passagem contínua de electricidade gera um calor descomunal - um chip estado da arte pode dissipar até 125 watts por centímetro quadrado, mais de 10 vezes o calor gerado pela chapa de um fogão eléctrico.

Se a luz puder ser usada, o chips não apenas ficarão muito mais rápidos, porque a luz viaja mais rapidamente do que os electrões, como também estará resolvido o problema da dissipação de calor.

Transístor óptico

Um passo importante nessa direcção foi dado agora pela equipe do Dr. Vahid Sandoghdar, do Instituto ETH de Zurique. Utilizando uma única molécula, os pesquisadores conseguiram fabricar um transístor óptico, que funciona usando fotões, e não electrões.

Os cientistas tiraram proveito do fato de que a energia de uma molécula é quantificada, ou seja, apresenta valores discretos. Quando a luz de um laser atinge a molécula em seu estado natural, ela absorve a luz. Como resultado, a luz do laser é consumida.

O sentido inverso da operação também é possível - um segundo raio laser atinge a molécula de forma a fazê-la liberar a energia absorvida anteriormente e retornar ao seu estado "neutro". Isso ocorre porque o feixe de laser altera o estado quântico da molécula, amplificando o feixe de luz. Esta chamada emissão estimulada, que Albert Einstein descreveu há mais de 90 anos, também é a base para o funcionamento do próprio raio laser. Ver notícia completa-->

Fonte: Inovação tecnológica

Siemens fornecerá 175 turbinas para construção do maior parque eólico offshore do mundo.

0 comentários


O maior parque eólico offshore do mundo vai operar com equipamentos Siemens. A empresa vai fornecer e instalar 175 turbinas SWT de 3.6 MW da usina London Array, na Inglaterra – propriedade da Dong Energy, E.On e Masdar. Após sua finalização, o London Array será capaz de gerar inicialmente 630 megawatts (MW) e possibilidade, no futuro, de chegar a mil megawatts. Localizada a 20km da costa inglesa de Kent e Essex, a nova usina será capaz de gerar energia para abastecer cerca de 750 mil casas – ou um quarto da Grande Londres. Além disso, poderá reduzir 1,9 milhão de emissões de CO² por ano, graças a viabilização dessa nova fonte de energia renovável.

(Fonte: Brasil/Portal Fator/09-V-28).

Células solares de alta eficiência são feitas com esqueletos de microorganismos

0 comentários

Cientistas descobriram como usar organismos marinhos unicelulares para gerar eletricidade a partir da luz solar de uma forma muito mais simples e eficientes do que as tradicionais células solares fotovoltaicas, construídos com
o mesmo silício usado para fazer os chips de computador.

Células solares de diatomáceas


O segredo da descoberta está nas diatomáceas, microorganismos que estão na base de grande parte da vida presente nos oceanos e que existem há pelo menos 100 milhões de anos.

Recentemente, um grupo de pesquisadores ingleses descobriu como reproduzir as diatomáceas em ambientes artificiais, produzindo um material iridescente que poderá ser explorado comercialmente em tintas, cosméticos e até em hologramas para a identificação de produtos - veja Material iridescente poderá obtido a partir do cultivo de algas.

Mesmo sendo organismos biológicos, as diatomáceas possuem conchas microscópicas que podem ser utilizadas para organizar partículas no diminuto mundo da nanotecnologia, criando estruturas altamente organizadas que imitam as soluções criadas pela natureza ao longo de milhões de anos de evolução.


Como numa máquina de fliperama


Usando esse princípio biomimético, que imita a biologia, em vez dos processos tradicionalmente utilizados na indústria de semicondutores, cientistas da Universidade do Oregon, nos Estados Unidos, criaram células solares nas quais os fótons ficam se debatendo no interior da cápsula que os aprisiona, evitando que eles escapem para o exterior sem gerar eletricidade. Esse bater e rebater aumenta significativamente a taxa de geração de energia das células solares.

As novas células solares orgânicas são do tipo DSC ("Dye-sensitized Solar Cells" - células solares sensibilizadas por corante). Para conhecer mais sobre elas, veja a reportagem Células solares orgânicas sem solventes são estáveis e eficientes. Ver notícia completa-->

Fonte: Inovação Tecnológica